terça-feira, 30 de novembro de 2010

MORRO-MORDAÇA RIO 2010

no morro
mordaça
o medo
amarra a arma
onipresente
terror
garoto sua alma
menino o crack
um pico
(ou craque?)
pivete a vida
só hoje
combate-olímpiada
é fria
essa guerra
o rosto
de sangue lavado
(atleta, o suor?)
é pública
essa ordem
um tapa
doce-brinquedo
na fama
(medalha?)
em polvorosa
maravilha
a cidade
no brilho-tv
maravilhosa
e agora
tudo rosa?
um trago
um barato na bala
estrago-perdida
(um troféu?)
polícia
é fato um pacto
velado
a massa
aplaude
é cega
debate?
quem morre
o que vive
importa?
a conta
quem paga no corte
rasgado da pele
morena
afinal
interessa
de novo
recomeçar
social
a nova ordem?
ou é pedra
renovada máscara
repetida
conquista?
no morro-olimpíada
aplausos...




















Imagem: google

3 comentários:

  1. Dúvidas que nos serão eternas...infelizmente...

    mas ao menos gera poesia...e da boa !

    abraço

    ResponderExcluir
  2. ...Sempre a sensação que tudo é um grande filme...Agora, parece que o Mal ( bandidos...), está vencido e o Bem não só triunfou como reinará por muitos séculos...

    A população precisa ter a sensação da segurança reestabelecida e a mídia faz a ponte sistema-povo...

    Seu poema é a embulição da sociedade em tempos de guerra...Parabéns!

    Davidovich Morpheus

    ResponderExcluir